Categoria: Gatos

Decidir se a vida de alguém vai ou não continuar, é uma das decisões mais difíceis do mundo. Isso se torna extremamente complicado quando é a vida do seu gato envolvido. O medo de estar errada, o sentimento todo envolvido pelo bichano, tudo isso faz com que não seja nada fácil ter a completa certeza se a decisão é a correta. A dúvida ronda de quando é necessário sacrificar um gato. E apesar da orientação dos veterinários, a única pessoa que poderá dar o aval final é você, dono do felino. Então é preciso pesar os lados, se colocar no lugar do gato e pensar na qualidade de vida dele.

Quando é necessário sacrificar um gato?

Há alguns diagnósticos certeiros em que a eutanásia é indicada. Mas o ideal é que cada caso seja avaliado de forma individual, em uma conversa do dono com o veterinário. Afinal, cada vida tem seus hábitos, seus sentimentos, suas possibilidades. Em geral, é indicado o sacrifício do gato, nos casos:

  • Quando o gato não movimenta mais nenhuma pata;
  • Quando o gato tem ferimentos gravíssimos e de recuperação quase impossível;
  • Quando o gato parou de fazer as necessidades fisiológicas, se alimentar e beber água;
  • Quando o gato tem câncer em estágio severo.

Além dessas indicações, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) fez um guia para auxiliar tutores e veterinários na hora da decisão. O guia traz boas práticas sempre pensando que os animais são capazes de sentir, interpretar e responder a estímulos dolorosos. Desta forma, o guia orienta os envolvidos na tomada da decisão e qual o método. São alguns dos pontos do guia que dizem quando é necessário sacrificar um gato:

  • Se o bem-estar do animal estiver comprometido de forma irreversível, sem possibilidade de controle por analgésicos ou sedativos;
  • A condição do animal for uma ameaça à saúde pública (se estiver com raiva, por exemplo);
  • O animal doente colocar em risco outros animais ou o meio ambiente;
  • O animal for objeto de ensino ou pesquisa;
  • O animal representar custos incompatíveis com a atividade produtiva a que se destina (animais destinados ao consumo humano, por exemplo) ou com os recursos financeiros do proprietário (aí entra o caso das entidades protetoras ou hospitais veterinários).

Dicas para ajudar na decisão de sacrificar um gato

A decisão nunca se torna mais simples, mas alguns fatores podem ajudar a você tomar a iniciativa correta e com mais calma.

Consulte mais de um veterinário

Mesmo que o veterinário consultado seja de confiança, não custa olhar uma segunda opinião. Isso ajuda até para a sua decisão, pois um fato confirmado por duas pessoas dá mais segurança para o dono optar pelo caminho correto.

Pesquise métodos

A internet tem muita coisa boba, mas também tem muito material de ajuda. Se jogue online e busque casos semelhantes, pesquisas novas, remédios, etc que possam ajudar a reverter o quadro do seu gato. Uma boa opção também é pesquisar no exterior, onde os medicamentos mais modernos estão surgindo e curando doenças antes tidas como incuráveis.

Decida com calma e procure ajuda da família

Para sua decisão, opte conversar com os membros da sua família que também têm o apego ao gato como você. Procure conversar também com outras pessoas que conhecem o bichano mas não são tão próximos, para ter uma opinião mais de fora e sem sentimentos. Todos devem estar preparados e devem se unir para apoiarem um o outro nesse momento. Uma opção para lidar com isso é participar de grupos de aconselhamento e apoio a perda do animal de estimação ou um psicólogo para a família.

 

Responda a algumas perguntas para si mesmo

Algumas questões para si próprio podem ajudar na hora da decisão, como:

  • Seu gato é capaz de desfrutar de sua companhia? Seu gato tem mais boas horas no dia ou mais horas passando mal?
  • Seu gato de estimação ainda é capaz de comer e descansar adequadamente?
  • Você pode ajustar a sua casa para atender às necessidades do seu pet para que ele se sinta confortável?
  • Você pode manter seu pet livre de dor?
  • Você tem os recursos físicos, financeiros e emocionais que você precisa para cuidar de seu gato doente?

No caso da maioria das respostas forem não, o sacrifício talvez realmente seja a melhor opção para livrar o seu gato do sofrimento. Mas no caso de responder sim para duas ou mais, é possível procurar alguns métodos que ajudem o seu gato a ter uma vida adaptada mas com qualidade.

 

Read Full Article

No mundo animal muitos bichos adquirem vários problemas de saúde semelhantes a nós seres humanos. A diabetes é uma delas, que cresce cada vez mais e ataca vários tipos de animais. Os gatos são uns dos atingidos e sem o tratamento adequado, é um problema tão grave quanto para nós. Nesse artigo vamos falar sobre a diabetes em gatos e como deve ser tratada, confira!

O que é?

Como em nós, a diabetes é uma doença que afeta a produção de insulina do pâncreas. Quando isso acontece, o organismo passa a não conseguir processar de forma correta a glicose e outros compostos orgânicos presentes nos alimentos pela falta da insulina. Assim, faz com que as células dos felinos não reproduzam certo e não consigam obter a energia necessária (pois a insulina é quem auxilia a célula a transformar a glicose em energia). Fazendo com que o corpo do felino procure a energia de outras células para conseguir ter uma vida normal. Ao extrair a energias de outras células, o gato passa a desencadear vários problemas de saúde. E também, com o acúmulo de glicose instalado na corrente sanguínea, acaba causando a hiperglicemia.

Diabetes em gatos surgem em dois tipos:

  • Tipo 1: esse tipo da diabetes é quando o corpo do gato passa a destruir os depósitos onde a insulina é produzida, assim não se obtém a quantidade necessária desta hormona.
  • Tipo 2:  o tipo mais frequente nos felinos, esse tipo da diabetes é quando o pâncreas trabalha liberando insulina, mas o corpo do gato resiste a ela. Assim fazendo com que a hormona não trabalhe corretamente.

Diabetes em gatos: causas

Alguns fatores e hábitos deixam que seu gato fique mais propenso a ficar com diabetes, como:

  • Disposição genética;
  • Obesidade;
  • Idade;
  • Raça (Birmanês é a raça que mais desenvolve a doença);
  • Pancreatite;
  • Síndrome de Cushing;
  • Uso de esteroides e corticoides em algum tratamento médico;
  • Gatos machos castrados.

Sintomas de diabetes em gatos

São vários sintomas e é bom o dono do felino ficar sempre atento a mudanças de hábitos. Eles as vezes não ocorrem todos juntos, mas se acontecer mais de 3 deles ao mesmo tempo, já é indicado consultar um veterinário. Os sintomas podem ser:

  • Sede excessiva;
  • Diminuição de peso (e isso pode acontecer geralmente quando seu gato passa a consumir uma maior quantidade de comida e mesmo assim emagreça);
  • Aumento na frequência e na abundância de urinar;
  • Letargia;
  • Má aparência do pelo;
  • Vômitos;
  • Dificuldade para saltar e caminhar que faz com que o felino não se apoie sobre as patas mas sim sobre nos jarretes de trás, a área que se assemelha aos cotovelos humanos.

Diagnóstico

Para o diagnóstico correto, o essencial é procurar um veterinário. O médico dos animais irá realizar exames de sangue e urina para determinar o nível de açúcar no sangue do seu felino. Outra forma, é um exame destinado a medir a presença de frutosamina no sangue.

Tem tratamento?

Sim. E é importante que o tratamento seja feito o quanto antes para descartar complicações como:

  • Retinopatia diabética (que provoca problemas na vista e até cegueira);
  • Neuropatia e hiperglicemia (que se trata de uma acumulação constante de elevados níveis de açúcar no sangue);
  • Infecções urinárias;
  • Insuficiência renal;
  • Problemas hepáticos.

diabetes em gatos

Como em nós seres humanos, o tratamento é feito através do controle dos sintomas que afetam a vida normal do gato.

  • Tratamento diabetes tipo 1: é feito com injeções de insulina diárias indicadas pelo veterinário. Administrada um máximo duas vezes por dia sobre a pele do pescoço.
  • Tratamento diabetes tipo 2: as vezes é necessário as injeções de insulinas, mas muitos já conseguem tratar apenas com uma mudança drástica na dieta. Essa dieta é focada em reduzir os níveis de glicose presentes no sangue. A redução é feita ao mínimo de quantidade de carboidratos possível, aumentando os seus níveis de proteínas.

Diabetes em gatos: tipos de rações

Existem algumas rações específicas para gatos com diabetes que auxiliam na reeducação alimentar do felino.

  • Ração Royal Canin Feline Veterinary Diet Diabetic para Gatos Adultos com Diabetes: 1,5 kg por R$92,99
  • Possui nível moderado de calorias para ajudar a lutar contra o sobrepeso;
  • Formulação específica para ajudar a diminuir as variações da glicemia pós-prandial dos gatos diabéticos;
  • Um teor protéico elevado assegura um fornecimento equilibrado de glicose para gatos diabéticos.
  • Ração Farmina Vet Life Diabetic para Gatos Adultos Diabéticos: 2 kg por R$92,90
  • Proteínas de alta qualidade;
  • Baixo nível de gorduras;
  • Satiety suport;
  • Presença de L-carnitina;

 

Read Full Article

Os felinos são animais que gostam de mexer em tudo, se enfiam em qualquer buraco com facilidade e adoram algo em movimento. O problema que esses “gostos” dos gatos podem provocar episódios um tanto perigosos para eles. Um lugar errado ou um fio suspeito em que eles acham, podem causar machucados e até algumas doenças. Por isso é preciso estar sempre atento no que você guarda em casa ou até no ambiente em que está levando o bichinho. Questões de segurança nunca são demais. E muitas vezes a gente nem sabe que algumas coisas básicas colocam os gatinhos em perigo.

Dicas de segurança para quem tem gatos

Tela de proteção

Pequenos e com uma facilidade grande para pular em lugares alto, as janelas são um lugar que os gatos adoram ir. Se torna mais perigoso se você morar em apartamento ou casa de andares muito altos, pois ao pular (mesmo que em algumas alturas os gatos caiam em pé) eles podem se machucar e até quebrar algum membro do corpo. Por isso o ideal é colocar telas de proteção para evitar que isso aconteça. Você pode optar por telas de nylon ou de PVC galvanizado para evitar que nenhum acidente ocorra.

Outro quesito da janela, é que através delas os gatos muitas vezes têm acesso à rua. Infelizmente, lá mora muito perigo e doença provindas de outros gatos. A leucemia e a aids felinas (FELV e FIV) são transmitidas de gato para gato e podem levar o felino a morte. Além das doenças zoonoses, como a toxoplasmose e a esporotricose que podem afetar além do seu bichinho, você e sua família. Então o melhor é evitar e manter a segurança do seu felino com telas de proteção para que nem ele, nem você corram riscos desnecessários.

Produtos de limpeza, remédios, venenos para insetos

Os produtos de limpeza, remédios e venenos podem ser muito tóxicos para os gatos. Como eles gostam de fuçar tudo e possuem grande facilidade em entrar em vários lugares, o ideal é manter esse tipo de coisa trancada em armário. E também, no caso dos produtos de limpeza, tomar cuidado nos dias de faxina. O indicado é manter seu gato em um cômodo em que ele não tenha acesso ao produto recém aplicado para não correr o risco de inalar ou ingerir/lamber o produto.

Plantas

Algumas plantas são bem venenosas e podem ser extremamente tóxicas para os felinos. Então sempre saiba exatamente quais são as plantas que você possui em casa para evitar que seu gato brinque com uma que seja venenosa.

Fios elétricos

Como é do conhecimento de todos, os gatos adoram um fio – seja ele qual for. Só que os fios elétricos, se ligados à corrente elétrica podem ser muito perigosos. Ainda mais porque os gatinhos menores adoram morder esses fios e podem acabar eletrocutados. O ideal é sempre deixar os fios escondidos atrás de móveis ou em canaletas para evitar esse tipo de acidente.

Fios de lãs

Apesar de ser famoso a brincadeira do gato com o novelo de lá, a diversão não é tão inocente assim. Os fios podem acabar enrolando na língua e fazer com que o bichano engula a lã. Isso causa um perigo muito grande pois pode ficar preso no trato gastrointestinal, necessitando de uma intervenção cirúrgica. Então não brinque com fios de lã com seu felino e mantenha elas fora do alcance dele. Caso aconteça dele engolir e sai junto com as fezes, leve a um veterinário pois pode ser que mais fios tenham ficado preso nele.

Fogão

O fogão já é um perigo para nós seres humanos que sabemos o que pode acontecer, para os gatos então, que não sabem aonde estão se metendo, o risco é maior ainda. Evite deixar panelas no fogo e sair de perto. Também não deixe frigideiras com óleo em cima do fogão. Uma ótima alternativa para manter os bichinhos longe das chamas é colocar fitas dupla face próximas ao fogão. Pode ser na bancada ou até mesmo na beirada do fogão, pois essa tática faz com que o gato sinta incômodo ao pisar ali perto. Assim é um ótimo método de afastá-lo da região.

Se interessou pelo tema? Confira este artigo falando sobre as principais vacinas que gatos devem tomar.

Para saber mais assista a este vídeo:

E aí, já viu se seu gatinho está em segurança em casa? Conhece mais algumas dicas de segurança para quem tem gatos? Conta pra gente!

Read Full Article

Nada mais fofo e gostoso do que filhotes de gatos. São tão pequeninos e bonitinhos que todos se derretem a primeira vista. Mas antes deles chegarem ao mundo, como nós seres humanos, nossos felinos precisam de cuidados especiais para que a gestação  de gatos seja tranquila e os gatinhos venham com saúde.

A partir de quantos meses a gata pode ficar prenhe?

A partir dos quatro meses de vida as gatas já podem entrar no cio. Então, a partir dessa idade elas já podem ficar prenhes. É possível observar quando esse período acontece e saber da possibilidade da gestação de gatos:

  • Antes de acontecer o cio, a gata fica mais afetuosa, inquieta e seu apetite aumenta. Os miados também ficam mais presentes.
  • Quando o cio acontece, é bem difícil não perceber. As fêmeas passam a uivar muito alto, como um “grito” ou “choro”. Também perdem um pouco do apetite.
  • Nesse período, que pode durar de quatro a seis dias, a gata fica carinhosa e começa a se esfregar com frequência em objetos e pessoas.

Como saber se minha gata está prenhe?

Após o período do cio e se ocorrer o cruzamento, existem alguns sinais que a gata começa a mostrar que está prenhe:

  • Após 15 a 18 dias da gravidez, os mamilos começam a ficar rosados e também maiores. Com o tempo pode até apresentar um corrimento leitoso.
  • Com algumas semanas, a gatas passam a ficar menos ativas e mais arredias.
  • O sinal mais evidente é a barriga que começa a inchar. Diferentemente de quando a gata apenas engordou (que acontece no corpo todo), na gravidez apenas a barriga cresce.
  • Os pelos da barriga se afastam conforme a barriga vai crescendo.

Esses são os sinais mais visíveis. Para ter certeza, sempre opte por procurar um veterinário. Não apenas para os exames que confirmarão a gravidez, mas também para ter as indicações necessárias para a gestação ser saudável.

  • Após 17 a 25 dias o veterinário já consegue sentir manualmente os embriões.
  • É necessário um ultrassom na felina para confirmar e ver se está tudo bem.
  • Pode ser feito também um raio-x, que dá para ver todo o abdômem e saber quantos filhotes a gata está gestando.

gestação de gatos

Quanto tempo dura a gestação de gatos?

A gata tem a gestação em torno de 60 a 65 dias, por volta de 9 semanas. As gatas podem ficar prenhes de 3 a 5 gatinhos em uma só gestação.

Cuidados com a gata durante a gestação

O primeiro cuidado é levá-la no veterinário para saber se está tudo bem com a mamãe gata e os filhotinhos. Durante a gestação é necessário se atentar aos carinhos e alimentação também.

  • Como na gestação de cachorros, comece a dar a ração de filhotes para a gata. Ela ajuda nos nutrientes necessários para alimentar a mãe e os filhotes.
  • Apesar de durante a gestação as felinas ficarem mais “ríspidas”, sempre busque dar carinho e mostrar confiança. Isso irá fazer toda diferença na hora do parto.
  • Se aproximando no final da gestação, prepare um local seguro para a gata ter seus filhotes. Procure um lugar na casa que sirva de abrigo contra o calor e frio. A simples caixa de papelão já é ótima nesses casos. Faça uma caminha que caiba ela e os filhotes confortavelmente. Coloque alguns panos para deixar o ambiente macio. E claro, apresente o lugar à ela. Sempre que puder, passe a levá-la até o local para que ela já reconheça e se sinta segura.
  • No final da gestação a gata pode perder um pouco o apetite, então se atente em como anda a alimentação dela e se certifique que ela se alimente bem para ficar saudável e hidratada para a hora do parto.

O que fazer na hora do parto da gata

A hora do parto é anunciada com contrações abdominais e secreção clara ou esverdeada saindo pela vagina do animal. A partir desses sinais, espere até duas horas para o nascimento do primeiro filhote. Se começar a demorar mais que isso, procure um veterinário. Pode ser que elas esteja tendo dificuldade para dar a luz e um profissional é indicado para ajudá-la nessa hora e talvez fazer uma cesariana. Os outros filhotes podem demorar de 5 a 60 minutos de intervalo entre eles.

Pode ser que a gata precise de ajuda para retirar a placenta que envolve os gatinhos, a ligadura e corte do cordão umbilical. É um processo que deve ser feito com cuidado e se caso não souber como fazer, opte por chamar um veterinário. Mas geralmente a própria mamãe gata faz esse processo e limpa seus filhotes logo após o parto. Geralmente os partos de gatas são tranquilos, o importante é observar e ver se está tudo correto no seu tempo.

gestação de gatos

Cuidados pós gestação de gatos

A própria mãe é feita instintivamente para cuidar de seus filhotes, amamentar e manter a limpeza. Fique atenta se a amamentação está sendo feita direito, e caso haja alguma dificuldade nesse quesito, procure um veterinário. Pode ser que sua felina esteja com falta de leite ou com as mamas machucadas.

Converse também com o veterinário sobre quais vacinas tomar e quando para que os filhotes vivam uma vida longa e saudável.

 

Read Full Article

Você já reparou como seu gato gosta de calor? Ele procura o sol que entra pela janela e fica perto de equipamentos que produzem calor, e por isso a roupa para gato não é só uma vaidade, mas sim uma forma de cuidar da saúde do seu bichinho de estimação, principalmente nos dias mais frios, para evitar alergias e problemas respiratórios.

Algumas lojas especializadas em vender itens diversos para animais estão produzindo e vendendo coleções para o frio ou para o calor com roupa para gato em diversos estilos, proporcionando beleza, conforto e estilo para o seu bichano.

roupa para gato

Roupa para gato crochê

Se você sabe fazer crochê, pode aproveitar essa habilidade para fazer roupa para gato nas cores que você mais gosta, e deixar o seu bichinho de estimação mais quentinho.

Existem vários vídeos no YouTube com o tutorial sobre como fazer roupa de crochê para gato, além de gráficos em sites especializados em dicas para pets. Como os gatos são mais resistentes às roupinhas que os cachorros, você pode ter mais facilidade em encontrar dicas para fazer roupa para cachorros (ou pet).

roupa para gato

Roupa para gato castrado

Quando você decide castrar o seu gato, é normal ter medo do pós-operatório, pois sabe que esses animais gostam de se lamber e que podem ficar incomodados com o colar que os veterinários indicam para evitar essa lambeção.

Nesse momento onde o gato já vai estar mais sensível e irritado, é importante não acrescentar mais fatores estressantes, e se ele não estiver acostumado a usar roupa para gato, o ideal é usar só o colar durante os sete dias após a cirurgia, mas se ele já está acostumado, você pode comprar uma roupa para gato castrado nos pet shops e lojas especializadas, ou você mesmo fazer uma roupa para gato com meia, que vamos ensinar a seguir.

roupa para gato

Roupinha para para gato feita com meia

Apesar de o mercado de roupa para gato estar crescendo, a oferta e as opções ainda são muito menores que o mercado de roupa para cachorro, porque os gatos são mais flexíveis e precisam de mais mobilidade.

Antes de comprar roupa para gato, você pode testar uma roupa feita com aquela meia que perdeu o par ou que você não usa mais, principalmente se você não está acostumado a colocar roupa no seu gato e não sabe como ele vai reagir. É simples e rápido de fazer e muito barato. Você só precisa de um pé de meia (no tamanho que caiba no seu gato) e uma tesoura. Veja o passo a passo:

  • Corte o cano da meia (parte mais elástica que fica acima do tornozelo) e descarte;
  • Dobre o calcanhar e faça um corte no meio, dividindo o calcanhar ao meio;
  • Corte a ponta da meia (onde ficam os dedos) e descarte.

Agora é só vestir o gato, encaixando as patas nos buracos que você fez no calcanhar da meia.

Se você quiser, ao invés de descartar a ponta da meia, faça um corte no meio dela e terá um gorrinho. Basta encaixar as orelhas do gato nos buracos.


Se você tem um gatinho e está em busca de acessórios para deixá-lo mais feliz, que tal conhecer a PetLove? Ela é o maior petshop online do Brasil, e faz entrega em todos os estados. Além de possuir preços baixos e produtos exclusivos. Para conhecer os produtos da PetLove, clique a seguir:

A roupa para gato com meia foi inventada em Londres por uma enfermeira de um hospital veterinário, que percebeu que dois gatinhos resgatados nas ruas mamavam um no outro durante a noite procurando pela mãe, e acabavam se machucando. Essa roupinha deixava eles se movimentarem livremente e evitava que eles se machucassem, mantendo-os seguros. Desde então, a roupa para gato com meia é muito usada no pós-operatório por gateiros do mundo todo.

roupa para gato

Como fazer roupinha para gato

A primeira coisa que você precisa saber antes de fazer uma roupa para gato é que a escolha do tecido é muito importante. Já falamos que eles precisam de mobilidade, então escolher um tecido que estique vai fazer diferença. Além disso, é bom comprar tecidos mais leves (como a malha) para as roupas que ele vai usar no calor, e tecidos mais grossos (como a flanela) para os dias mais frios.

Na internet você encontra vários moldes de roupa para gato, dos modelos mais simples (aquelas que parecem uma capinha, que encaixam no pescoço e têm abertura para as patas) até os mais elaborados, e até fantasias para ele usar no Carnaval ou no Halloween.

Quando achar um modelo que goste, é só imprimir o molde, cortar o tecido e costurar.

Read Full Article

O principal motivo para os gatos se lamberem é sua própria higiene. Nascidos com uma língua áspera, eles umidificam suas patas dianteiras com saliva e as usam como toalha. Além de ter dentes firmes para retirar aquelas sujeirinhas mais profundas, juntamente com suas unhas, que são bem afiadas.

Se limpar é uma prática que os gatos podem gastar horas dos seus dias fazendo, tanto neles quanto nos seus filhotes, até mesmo outros gatos que estejam no mesmo convívio.

Gatas lambem os filhotes ao nascerem

A primeira lambida que um gatinho recebe é assim que sai da barriga da gata, que assim que o filhote é expelido, ela o lambe para limpar a placenta e estimulá-los a liberar suas fezes e urina. Esse primeiro contato também o estimula a se alimentar (mamar) e o faz reconhecer o cheiro, o toque da mãe.

Quando os gatos começam a ser lamber sozinhos?

Até a quarta semana de vida, a mãe gata limpa seus filhotes, que já com cinco semanas, já o fazem sozinhos e ainda limpam seus irmãos e pais. Esse momento vai durar até a fase adulta (caso eles permaneçam juntos), fortalecendo os laços entre eles e demonstrando afeto e confiança.

Os gatos se limpam para se acalmar?

Sim! Além da higiene, se lamber significa liberação de estresse, ansiedade e algum conflito que o animal esteja passando. É sabido que os felinos são muito temperamentais, podendo ser tão dóceis quanto ariscos num pulo e, uma das formas de se acalmar, é se lambendo.

Quais os benefícios de se lamber?

Os gatos não são gostam de água e, talvez por isso, sua natureza já o tenha ajudado a nascer com ferramentas que possibilite sua própria limpeza. Assim, eles se mantêm limpos, afastam parasitas e refresca o pelo.

Posso limpar meu gato?

Sim, se ele te der abertura para escová-lo, faça! Isso fará com que fiquem mais próximos e ele terá mais confiança em você. Além de ajudar a manter o pelo liso, sem nós ou partes emboladas, com brilho e aspecto de bem cuidado.

Posso dar banho?

Sim! Gatos não gostam de banho, mas é uma prática que deve ser feita. Mas para isso tenha produtos próprios para seu animal, de acordo com sua pelagem, idade e raça até. E tenha cuidado, pois devido a rejeição deles à água, eles podem arranhar.

Como os gatos lambem as patinhas e se limpam, é importante mantê-las sempre limpas, ainda mais se seu gatinho costuma andar pelas ruas. Isso vai evitar que ele fique doente ou contraia algum tipo de infecção, além de conservar a saúde dentro de casa, ou gatos podem transmitir doenças às pessoas.

Lamber em excesso é ruim?

Sim. Falta de atenção, carinho ou cuidado por parte do dono pode fazer com que o gato se lamba em excesso, acarretando em feridas na pele e que não se curam. Para evitar que ele se machuque assim, preste atenção se seu bichano está isolado, escondido nos cantos da casa e/ou muda de humor de repente, isso são sinais de algo errado.

Read Full Article

Para começar, a maioria dos gatos é intolerante à lactose, por isso, o correto e mais indicado é alimentar seu felino com ração e lembre-se, sua dieta é basicamente de origem animal. Se você tem dúvida sobre os tipos de ração e sobre qual é a mais adequada para o seu gato, continue lendo esse artigo! Vamos explicar tudo nos tópicos a seguir!

Ração de origem vegetal pode?

Não, pois, internamente, os gatos têm presas usadas para destrinchar carne, um estômago bem ácido e um intestino curto. Por isso, é recomendando evitar rações de origem vegetal, pois, essas podem ficar agarradas nas entranhas do felino e causar sufocamento. Prefira os tipos que tenham farinha de fígado ou ossos ou óleo de peixe, abuse dos nutrientes de origem animal.

Posso dar qualquer ração ao meu gato?

Não é recomendado, pois, gatos são conhecidos por serem exigentes e isso não é diferente com a ração. Eles vão cheirá-la, sentir a textura e o gosto e, se não agradarem, nem adiante insistir. Por isso, o dono terá que ter paciência e testar várias marcas para ver qual o seu pet vai agradar.

Diferente dos cães, os gatos comem bem mais vezes ao dia, chegando a 20 vezes diárias, portanto, é importante que ele tenha uma ração de qualidade e que supra suas necessidades nutricionais e o ajude em seu desenvolvimento. Pois, caso contrário, ele ficará fraco e pode acarretar em doenças e, no pior dos causos, ao óbito.

Quais os tipos de ração existentes?

Existem inúmeros tipos de ração no mercado e é importante conhecera classificação: Standard, Premium e Super Premium.

Standart

É a “popular”, que possui proteínas de qualidade muito inferior, a porção diária deve ser maior e ainda possui muitos conservantes e corantes.
Premium: é uma opção mediana, possui alguns nutrientes que o felino precisa, mas ainda tem proteína vegetal, o que é péssimo para o gato. Ainda sim, para suprir a fome do animal, a quantidade de ração deve ser grande e também possui conservante e corante.

Super Premium

É a melhor ração que existe para qualquer animal. Possui proteína 100% animal, é concentrada e o organismo do gato a absorve rapidamente, pois não tem corante ou conservante. Além de não precisar dar muita quantidade de ração ao animal, uma vez que pouca porção já o satisfaz plenamente.

Cada gato é um gato e tem suas qualidades e necessidades específicas. Portanto, confira alguns tipos de rações para filhotes, obesos e castrados.

Ração para filhotes

Procure rações com os aminoácidos: arginina e taurina. O primeiro protege o corpo, a segunda auxilia nos olhos e coração. Prefira rações em patê, são mais fáceis de serem digeridas pelos dentinhos dos filhotes.

Ração para gatos castrados

Devido à castração, o hábito alimentar do felino muda e ele tende a comer mais, por isso é preciso ter uma dieta fica em fibras e nutrientes específicos para gatos nessa condição. Rações úmidas são excelentes para gatos castrados.

Ração para gatos obesos

Para esses, é necessária uma dieta que supra a necessidade alimentar do gato, de forma a não comprometer sua saúde e ajudar a manter um peso ideal. É preciso uma alimentação pobre em carboidratos e gorduras, por isso, prefira rações secas ricas em proteínas e pouquíssimos carboidratos.

Read Full Article

Gatos são uns amores, fofos, adoram um carinho, seus pelos nos encantam, mas para quem tem um felino em casa, sabe que nem tudo são flores. Além das necessidades que tem um odor muito forte, têm gatos que miam muito, excessivamente.

É importante saber que o miado não é apenas um som que o gato emite, é sua forma de comunicar tanto com o dono como entre sua espécie. Vale ressaltar que cada raça mia de uma maneira, sendo variada a constância, timbre e altura.

São vários motivos que levam seu bichano a miar constantemente e, muitas das vezes, alto, chegando a incomodar muitos os donos. Listamos cinco razões que podem levar os gatos a miar tanto, que pode ser por dor, problemas neurológicos, peso, idade, carência, saudade, entre outros.

Mania aprendida

Se toda vez que seu gato miar você dá-lhe um petisco, carinho, colo, o responde, etc., ele vai entender isso como recompensa, que é a base do adestramento. Assim, você estará fazendo com que o gato aprenda a se comportar inadequadamente.

Chamar a atenção

A carência faz com que o gato mie constantemente, e isso é sua forma de dizer: “Ei, tô aqui!”. Os gatos se sentem sozinhos sim e precisam da atenção e carinho do dono. Portanto, se ver que sempre ao chegar em casa, seu felino roça em sua perna e mia muito para você, é para chamar sua atenção. Então, perca 10 minutinhos do seu dia brincando e dando atenção ao seu bichano, vai ver que esses miados vão diminuir bastante.

Comunicar-se com outros gatos

Como falado no início do texto, miar é uma forma surpreendente de comunicação que os gatos têm e um miado excessivo pode ser uma conversa entre gatos vizinhos ou dentro de casa – caso tenha outros –. É difícil perceber esses “bate papos” dos bichanos, mas acredite, eles se comunicam mais do que a gente pensa.

Sede ou fome

Muito normal os gatos miarem por fome ou sede, isso é um comportamento natural tanto dos humanos quanto dos animais. Mas para quem não sabe, gatos com fome são extremamente chatos, eles fazem um escândalo quando a barriga está vazia ou com sede. Portanto, mantenha sempre seu pet bem alimentado e com água fresca, lembrando que como você, ele tem horário para se alimentar, então, procure deixar a ração sempre nos momentos dele comer (café da manhã, almoço e jantar).

Cio

Outro motivo que fazem com que as gatas miem constantemente é quando elas estão cio. Seus gemidos são facilmente reconhecidos de longe, pois, é sua forma de avisar os machos que ela está no período fértil, pronta para o acasalamento.

Dor

Esse preocupa mais, pois se seu felino está sofrendo, ele vai te dizer em forma de miados altos, agonizantes e constantes, e é preciso ficar atento à essa mudança de comportamento. Verifique as fezes, cama, procure vestígios de possíveis machucados, problemas intestinais e não hesite em levar ao veterinário, pois aí pode ser tarde demais.

E então, ficou mais claro de quais podem ser os motivos pelo qual o seu gato mia sem parar? Então continue nos acompanhando para saber mais sobre o comportamento do seu bichinho!

Read Full Article

Essa é uma dúvida frequente dos donos de gatos. Afinal de contas, gato pode beber leite? Quando filhotes, os felinos se esbaldam de leite, mas da mãe. Aquele que é essencial para que eles se desenvolvam com saúde e perfeitamente ao longo do seu crescimento.

O que pouca gente sabe é que, após os desmame, muitos gatinhos ficam intolerantes à lactose e um pequeno contato com o alimento pode ser extremante prejudicial à saúde deles.

Como saber se meu gato pode beber leite?

De forma geral os gatos não podem beber leite, porém, caso você dê leite ao seu pet e ele apresente sintomas como diarreia e vômitos, suspenda imediatamente o alimento. Em seguida, o leve ao médico veterinário para garantir que ele não tenha maiores problemas por ter ingerido leite.

Leite de vaca pode?

Definitivamente não. Vacas são herbívoras e gatos, carnívoros. Isso significa que os nutrientes presentes no leite da vaca não suprirão as necessidades dos felinos, então, não faz sentido alimentar seu gatinho com algo que não será bom para ele.

Meu gato perdeu a mãe, pode dar leite?

É sabido que quando filhotes, os gatos necessitam de leite da mãe para se desenvolverem, mas quando essa opção não existe, há no mercado, alternativas especializadas para esses casos.

Ter a opinião de um veterinário de confiança é essencial para que você escolha um produto que seja o indicado para seu gatinho. Pois, depende da raça, idade e às vezes ele pode ter um problema com algum ingrediente, então é bom o dono ter conhecimento antes de comprar alimentos para seu pet.

Comida caseira pode?

Assim como o leite de vaca, a comida caseira não tem nenhum nutriente que vá atender às necessidades dos gatinhos. Seja cão ou gato, o que a gente come atrapalha o bom funcionamento do organismo dos animais, uma vez que eles têm necessidades alimentícias diferentes.

Qual o melhor alimento para gatos?

O ideal é alimentar seu gato com ração própria para cada fase de vida, com os nutrientes necessários para o desenvolvimento dele. Além disso, é preciso avaliar bem o produto que vai comprar, pois seu animal merece comer uma raçãozinha de qualidade e que ofereça a ele uma alimentação balanceada.

Outra coisa de suma importância, para garantir que seu gatinho tenha uma vida saudável e cheia de energia, dê muita água para ele. Todos nós sabemos os inúmeros benefícios que a água tem para nós e para os animais. Aliada a uma boa alimentação, pode ter certeza que seu bichano vai ter uma vida tranquila, sem problemas de saúde e vai viver por muito tempo.

Lembre-se que o leite materno é tão importante nossa vida e não seria diferente com nos animais, por isso, não exclua essa fase da vida do seu pet. Nas primeiras semanas de vida é o que irá garantir um desenvolvimento saudável do seu bichano.

Read Full Article

Porque os animais fogem de casa? Essa é uma dúvida que intriga muitos donos de cães e gatos. Por que passam horas desaparecidos e aparecem do nada? É uma situação que muita gente não pensa que vai acontecer, mas quando acontece, é de partir o coração.

São vários os motivos para eles saírem de casa e ficarem desaparecidos por longos períodos, como mudança de casa. O gato é muito apegado ao lugar onde vive, por isso, quando o dono se muda, o felino vai sentir falta do antigo lar e é comum ele sair em busca desse lugar. Portanto, caso se mude, leve para a nova casa todos os pertences do gatinho, como casinha, brinquedos, almofadas, objetos que o faça lembrar do antigo lar e não sinta tanta falta.

Outro motivo é instinto! Os felinos são caçadores natos. Desde filhotes eles aprendem a ir em busca da sua própria comida e isso não muda pelo fato deles terem uma casa, comida e água fresca à sua disposição. Por isso, essas sumidas dos gatos podem ser por motivo de caça, mesmo que seja um roedor, eles têm essa necessidade natural

Além desses motivos acima, a interação com outros gatos é fator de desaparecimento dos felinos. Claro, existe aquele preguiçoso que não sai da toca, mas outros já gostam de sair e explorar o lugar onde vivem, seja só perambulando por aí ou visitando as casas vizinhas, à procura de comida ou novos amigos.

O que fazer para o gato não fugir?

Se ele foge e volta, é porque ele sabe que está seguro em seu lar. Pois, seu dono provem comida, abrigo e proteção, com isso, ele não vê a necessidade de ficar saindo para caçar ou buscar novos lugares.

Então, a melhor maneira de evitar essas saidinhas é garantir esse conforto ao seu pet. Deixe sempre a vasilha com ração, a água sempre fresca e sua casinha limpa e confortável.

Além disso, brinque com seu gato sempre que puder. Dê amor, carinho e atenção. Faça visitas constantes ao veterinário para garantir que a saúde dele está bem. Para evitar fadiga, caminhe com seu bichinho pelo bairro, explore a vizinhança juntos, assim será mais um motivo para ele não sair para fazer isso sozinho.

Quando eles voltam, o que fazer?

Para sua saúde e a dele, sempre que seu gato voltar dessas longas caminhadas, higienize suas patas e se possível, limpe todo o corpo. Isso vai evitar possíveis doenças e mostrar ao felino que se importa com o bem-estar dele. Além disso, dê a ele muito carinho e o deseje boas-vindas, para que ele se sinta bem em sua casa.

Dicas para evitar que os gatos fujam de casa!

Se não quiser que seu gato saia, coloque grades nas janelas, mas assegure-se de que isso não vá deixá-lo deprimido, uma vez que tanto gatos como cães têm a necessidade de sair, explorar o ambiente, de interagir com outros de suas espécies ou não. Mas sempre fique atento quando eles voltarem, veja se há machucados, sinais de brigas e, em caso das fêmeas que estiverem no cio, se há gravidez.

Read Full Article